0


Esportivo é flagrado em Santa Catarina sem placas e com registro feito na Flórida. O modelo veio ao país após cruzar diversos países e sem cumprir o processo formal de importação 


Comprar um Mustang conversível zero km por R$ 125 mil é algo inimaginável no Brasil. Uma que a versão sem a capota dura não é vendida oficialmente por aqui e outra é que o preço tabelado pela Fordpara o novo Mustang é de R$ 300 mil - versão 5.8 V8 GT premium, de 460 cv, a topo de linha do carro.

Pois um brasileiro pagou algo próximo ao valor ‘mais acessível’ por um exemplar, com motor 2.3 turbo, de 310 cv. Só tem um detalhe: a compra foi feita nos Estados Unidos, onde o modelo citado é vendido com essa etiqueta. E o mais curioso é que o veículo chegou ao Brasil trafegando, passando por diversos países até ser flagrado na última quarta-feira (4) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Santa Catarina, rodando sem placas pela BR 101, próximo a Joinville.

Sorry, the video player failed to load.(Error Code: 101104)
Ao efetuar a vistoria, os agentes verificaram que o Mustang foi emplacado na Flórida e que o proprietário é residente de Londrina e tem 41 anos. O carro estava sendo conduzido por uma terceira pessoa, que relatou a epopeia no transporte do Ford desde a América do Norte.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/07/06/Automoveis/Imagens/Cortadas/Ford Mustang-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Divulgação/ PRF-SC












De acordo com a PRF comprar carro fora do país, como EUA, Argentina ou Paraguai, é um tipo de ocorrência bastante comum. Porém tal prática é ilegal, uma vez que o Ministério da Fazenda permite apenas a importação de veículos zero km ou com mais de 30 de fabricação (chamados de modelos de ‘colecionador’), com a devida carga tributária que pode representar quase 80% a mais em relação ao valor original do veículo. 
Sem contar com todo o trâmite burocrático que envolve desde o pedido de autorização prévia e licença de importação até o desembaraço aduaneiro para trazer o produto. O dono deste Mustang abriu mão deste processo formal, segundo a PRF constatou nos documentos apresentados pelo condutor. O esportivo foi entregue à Receita Federal e o comprador irá responder por crime fiscal.

Postar um comentário

 
Top