0





O presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, conselheiro Waldir Neves, juntamente com os conselheiros, Iran Coelho das Neves, corregedor geral, e Marcio Monteiro, participam, na tarde desta segunda-feira, dia 24 de setembro, da Assembleia Geral do Instituto Rui Barbosa, Reunião de Diretoria e do Conselho Fiscal do IRB, em conjunto com a Assembleia do Colégio Nacional dos Presidentes dos Tribunais de Contas do Brasil da ATRICON.
A convocação foi feita pelo conselheiro José de Ribamar Caldas Furtado, que dirige o Colégio de Presidentes dos Tribunais de Contas do Brasil. Em sua explanação, ele destacou que essas reuniões permitem o monitoramento das ações que cada Tribunal desenvolve individualmente, e também o compartilhamento dessas expertises “o que repercute no processo de fortalecimento do Sistema”.
Os presidentes dos Tribunais de Contas, e da Atricon, se reuniram no Instituto Serzedelo Corrêa (TCU), e dividiram espaço com o Instituto Rui Barbosa, que realizou assembleia para tratar de temas institucionais e de questões relativas ao aprimoramento do sistema.
Durante o encontro, o conselheiro Waldir Neves falou sobre o E-EXTRATOR, a mais nova ferramenta eletrônica desenvolvida pelo TCE-MS que é capaz de coletar informações diretamente nos bancos de dados dos jurisdicionados, e fazer o cruzamento dessas informações com outros bancos de dados, permitindo que a fiscalização seja feita em tempo real. “Nós desenvolvemos essa tecnologia que está contribuindo muito com o nosso trabalho de fiscalização, porque a partir do cruzamento das informações coletadas em diversos bancos de dados, o próprio programa gera uma matriz de risco dando uma diretriz para a fiscalização”, explicou o presidente.
O programa E-EXTRATOR conjuga a extração automatizada de dados dos jurisdicionados e de outros bancos de dados com a Inteligência Artificial, ferramenta BI, e o gerenciamento de riscos com o objetivo de alcançar a efetividade no controle externo. A ferramenta consiste em extrair os dados diretamente do banco de dados do jurisdicionado; filtrá-los por meio da Inteligência Artificial; priorizá-los através da Matriz de Riscos e, posteriormente, disponibilizar os indicadores que são apresentados na tela do BI, para análise e tomada de decisão.
Um dos grandes benefícios desta metodologia é a possibilidade de cruzar estes dados com os de outros bancos, por exemplo: Nota Fiscal Eletrônica, Junta Comercial, TCU, MEC e etc. Os dados podem ainda ser comparados com as informações declaradas dos jurisdicionados que são enviadas por eles através dos diversos sistemas do TCE-MS.
O conselheiro Ivan Bonilha, presidente do Instituto Rui Barbosa, destacou o aprimoramento da Rede Infocontas, que atua no compartilhamento de dados e informações para a sistematização das ações de fiscalização e controle.
O presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), conselheiro Fábio Nogueira, destacou que o principal aspecto do projeto de aprimoramento do sistema é o fortalecimento da representação institucional que encontra na “integração e na participação dos presidentes uma importante força.
Ainda durante o encontro, o presidente do Tribunal de Contas da União, Ministro Raimundo Carreiro, informou que estave reunido com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, e que o STF deseja fazer um inventário das obras inacabadas no Brasil. Esse trabalho, de acordo com o Ministro Raimundo Carreiro, deverá ser coordenado pela Atricon, com a participação dos Tribunais de Contas de todo o Brasil.

Alexsandra Oliveira

Postar um comentário

 
Top