0


J-20 exibe suas armas
Enquanto a Coreia do Sul se tornou o último país a comprar e receber caças furtivos F-35, observadores militares chineses afirmaram que um caça chinês J-20 melhorará sua superioridade sobre o F-35 no futuro e que a China pode afastar todo o potencial de ameaças do que a mídia chama de “círculo amigo do F-35” dos EUA na região da Ásia-Pacífico.
A agência de notícias Yonhap informou na segunda-feira que dois F-35As serão atribuídos a unidades de combate sul-coreanas a partir de abril ou maio. A entrega é parte da aquisição pela Coreia do Sul de 40 F-35A em 2014, a um custo de mais de US$ 100 milhões cada.
A Coreia do Sul não é o único aliado dos EUA que comprou a aeronave furtiva. O Japão opera 10 F-35As, com 32 mais devido a um pedido anterior, informou a CNN em novembro de 2018.
O Japão também está se preparando para encomendar mais 100 caças F-35. Essas aeronaves incluem os F-35B que são capazes de decolagens curtas e aterrissagens verticais, que serão desdobrados nos destróires porta-helicópteros da classe “Izumo”, tornando-os essencialmente porta-aviões, informou a Nikkei em novembro de 2018.
A Austrália também recebeu dois F-35A em dezembro de 2018, informou o site de notícias local news.com.au. O país acabará recebendo 100 dos jatos, disse o site da Força Aérea Australiana.
Sob o programa Joint Strike Fighter dos EUA, o F-35 tem três versões: o F-35A para a Força Aérea, o F-35B para os Fuzileiros e o F-35C para a Marinha.
Ao vender os caças furtivos a seus aliados na região do Pacífico Oeste, os EUA estão construindo um “círculo amigo do F-35”, disse Wei Dongxu, analista militar de Pequim, ao Global Times na terça-feira.
Os EUA, Japão e Coreia do Sul podem realizar mais exercícios conjuntos perto da China usando o F-35, facilitando a coordenação, disse Wei. A capacidade stealth torna o F-35 mais difícil de detectar e terá impacto nas necessidades de defesa nacional da China, disse ele.
Equipado com um avançado sistema de armas e capaz de voos supersônicos e stealth, o F-35 é considerado um dos mais avançados jatos de combate do mundo. Mas a China não é um pato sentado em um confronto potencial com o jato de combate dos EUA.
O caça J-20 de quinta geração da China, que está em serviço sob a Força Aérea do Exército de Libertação Popular desde o início de 2018, é dotado de tecnologias de aviação e eletrônicas de ponta. Seu alcance e carga útil de armas são amplamente considerados melhores do que os F-35, permitindo-lhe alcançar sua principal missão de ganhar superioridade aérea em um campo de batalha do século XXI.
Além disso, o J-20 tem espaço para melhorias. Uma versão atualizada do J-20 terá “superioridade esmagadora” sobre o F-35 no futuro, disse Wei.
Os radares passivos da China e os radares de onda métricas também podem detectar aeronaves furtivas, e podem guiar mísseis antiaéreos, como o HQ-9 e o HQ-16, para destruí-los, observou Wei.
Enquanto isso, o F-35 tem sua parcela de problemas.
A capacidade furtiva do F-35, uma das características mais importantes que o diferenciam das gerações anteriores de caças, requer um custo de manutenção muito alto, pois o revestimento de absorção de ondas de radar desaparece e precisa ser substituído após cada voo, segundo reportagem do news.com.au disse.
Em setembro de 2018, um F-35B sob o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA caiu devido a falhas nas linhas de combustível. Os jatos F-35 fizeram no passado pousos de emergência, sofreram incidentes em voo, incluindo privação de oxigênio entre as tripulações, e sofreram com incêndios em motores e outros fracassos no solo, informou o Washington Post.
Os militares chineses não divulgaram nenhum relatório de mau funcionamento do J-20.
J-20 demonstra sua manobrabilidade no China Air Show 2018
FONTE: Global Times

Postar um comentário

 
Top