0


Natural de Francisco Beltrão, Débora Barbosa (21) se destaca no exterior. Atualmente morando em Manchester, na Inglaterra, fala 7 idiomas: Inglês, Português, Espanhol, Russo, Alemão, Italiano e Chinês, além de ser intérprete do Manchester United, um dos clubes mais poderosos do mundo.
Antes de morar no exterior, estudou por seis anos no Colégio Nossa Senhora da Glória de Francisco Beltrão, até a metade do segundo ano do ensino médio, quando saiu para o intercâmbio. “Nesse período tive vários professores que marcaram minha vida de uma maneira positiva e me ensinaram muito, como o Adair De Toni.” A beltronense sempre foi muito dedicada e aos 8, 9 anos usava as pausas do colégio para ir até a biblioteca ler “Romeu e Julieta”, já que ainda era muito jovem para pegar o livro emprestado e levar pra casa. Ela leu a obra inteira cerca de 5 vezes.
Aos 14 anos, a Filha dos empresários Luis Adroaldo Barbosa e Sirlei Gomes Barbosa, fez uma viagem com sua escola de inglês, para os Estados Unidos. Foram alguns dias somente, mas ao retornar para o Brasil ela estava decidida a fazer intercâmbio. “Quando voltei, passei todos os dias convencendo meus pais a deixarem que eu fizesse intercâmbio. Com uma melhor situação financeira, meus pais puderam pagar meu intercambio, pois foi particular. E assim, começou outra etapa de minha vida que foi muito, muito difícil, mas ao mesmo tempo crucial, onde fiz escolhas que mudaram minha vida. ”
Débora saiu do Brasil aos 15 anos e escolheu os EUA, como destino. “Eu estudava inglês por conta, sempre gostei de assistir documentários americanos/britânicos na SKY, pois meu pai é o representante da região. Escolhi os Estados Unidos por dois motivos: primeiro, pelo fato de o idioma desse país ser inglês e eu conseguir validar meu ano de intercâmbio e segundo, porque naquele momento em 2011, o país era o centro de tudo que acontecia. ” 
“Chegando nos EUA, não sabia muito sobre a família com quem iria morar, e mal conseguia me comunicar. Quando você chega em um país diferente, não tem opção a não ser falar a língua deles, a pressão fica enorme! Principalmente para mim que nunca havia dormido fora de casa”, contou.
Nos Estados Unidos, inicialmente Débora, morou em uma cidade de apenas 11 mil habitantes, convivendo apenas com americanos e longe de qualquer distração. De cara, nos primeiros seis meses de intercâmbio, enfrentou um grande desafio. “Eu tinha que permanecer com a mesma família por todo o ano, infelizmente não tive muita sorte pois fui colocada em uma família que cultivava uma fazenda de blueberries nos arredores da cidadezinha. Eles não queriam me alimentar, diziam que eu fosse atrás sozinha mesmo estando a km de qualquer mercado ou restaurante, não permitiam que falasse com meus pais e me obrigaram a entrar no time de futebol simplesmente por ser brasileira.” Somente após seis meses, conseguiu permissão para mudar de família, como não podia ficar muito tempo sem uma família oficial, logo foi transferida para uma cidade do estado de Washington.
“Convivi com um rapaz da Tailândia que fazia o ensino médio completo no país, fiquei interessada e fui atrás. Estrangeiros não podem estudar permanentemente no sistema público, então tive que me matricular em um colégio católico particular onde consegui em maio de 2013, aos 17 anos me formar com um diploma americano”, comemora.
A rotina de estudos não parou, em 2013, Débora chegou na Inglaterra, cursando o ensino superior. “Em setembro de 2015 fiz mais um intercâmbio, dessa vez dentro da faculdade, onde recebi uma bolsa do governo Britânico para cursar meu segundo ano do curso perto de Frankfurt na Alemanha. Cada país e cada cultura tem seus desafios, desde o idioma, comida, clima, as pessoas, enfim, tudo. O que muda apenas é a minha facilidade com adptação. Aos 15, aguentei coisas que não aguentaria hoje. Acho que nada nesse mundo te prepara mais para a vida do que morar um tempo em outro país, qualquer país.”

A beltronense não esconde a saudade de casa. “A maior parte da minha saudade são os meus pais. Sou filha única e por isso sempre fui muito unida com meus pais. Infelizmente meus avós morreram enquanto eu estava no exterior, sinto muitas saudades deles, de como tudo era antes. É um sacrifício muito grande ficar longe dos que amamos. Sinto muita falta de algumas comidas, como pão de queijo, nega maluca, docinhos, pastel, até faço aqui, mas não fica igual, sem contar a saudade da comida da minha mãe”, mas ela garante que os planos no momento, são adquirir conhecimento e retornar ao Brasil somente para visitar os familiares. “Só volto a morar no Brasil o dia me tornar presidente da república. Até lá, apenas para visitar parentes e amigos. Meus pais e Deus são meu porto seguro e a razão do meu sucesso. Família é a coisa mais importante da minha vida, são minha inspiração.”
A estudante comenta que abriu mão de muitas coisas, que não lhe fazem falta por ter um objetivo maior, inspirador. “Sou uma pessoa com metas que são as mesmas desde que era muito jovem. Vou atrás delas não importa o que esteja no caminho. Tive uma infância muito isolada, sem muitos amigos. Hoje passo muito tempo sozinha por que gosto, uso para estudar e aprender. Li 11 livros diferentes em 4 meses, sobre temas que vão de neurologia e psicologia até o próximo colapso financeiro” e finaliza contando que procura utilizar seu tempo com sabedoria. “Não desperdiço meu tempo com distrações como festas, bebidas ou baladas, usei todo esse tempo que tive para aprender, estou sempre aprendendo, amo aprender.”
Quero muito usar meu conhecimento para mudar o rumo que o mundo está levando. Um dia, não tenho dúvidas, terei poder suficiente para fazer a diferença. (Débora Barbosa)
Em breve você confere a próxima matéria com a beltronense, onde ela comenta a aquisição dos 7 idiomas e sua importância, além de falar sobre seu trabalho como intérprete do Manchester United.

Fonte: https://rbj.com.br/geral/inspiradora-trajetoria-de-sucesso-de-debora-barbosa-3017.html

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Foto escolhida para apresentar ao MBL um humano do sexo feminino. 


Postar um comentário

 
Top