0

Proporcionar uma boa qualidade de vida aos moradores de baixa renda é uma das principais metas dos gestores públicos. Mas, para enfrentar esse desafio, é fundamental desenvolver programas de habitação popular.
Essa iniciativa contribui para que pessoas com menor poder aquisitivo alcancem o sonho do imóvel próprio. Segundo estudo do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), para eliminar o deficit habitacional no País, em 2015, deveriam ter sido construídas 7,7 milhões de casas.  
Neste post, vamos destacar a importância da moradia popular e citar 5 projetos habitacionais do país voltados para a população de baixa renda. Confira!

A importância da habitação popular

Os projetos de moradia popular devem ser uma prioridade dos gestores públicos. Um dos motivos é a necessidade de propiciar aos cidadãos mais condições de exercerem os seus direitos.
Pensando nisso, é fundamental que os programas habitacionais tenham como foco a construção de unidades em regiões que apresentem uma boa infraestrutura (água, esgoto, rede de energia elétrica, vias pavimentadas etc.).
Todos os segmentos da população devem ser atendidos por serviços de saúde, educação e transporte públicos. Esse fator faz com que os projetos de moradia popular precisem ser desenvolvidos em regiões que permitam o fácil acesso dos beneficiados a escolas, hospitais e pontos de ônibus.
Se essa medida não é tomada, torna-se muito alto o risco de os contemplados saírem da própria residência para viverem em outra região. Isso deve ser evitado ao máximo, porque mostra que o programa habitacional não está sendo eficiente.
Outro fator importante da habitação popular é a questão da segurança. Qualquer pessoa deseja residir em um local onde possa ter tranquilidade para viver com a família. Isso é essencial para garantir uma boa qualidade de vida e melhorar a relação entre os cidadãos e o setor público.
Outro ponto positivo dos programas habitacionais é dinamização da economia. Os investimentos para a construção de residências populares criam empregos e estimulam a abertura de lojas, escolas e outros empreendimentos, propiciando mais oportunidades de trabalho e de geração de renda.   

5 projetos brasileiros que são referência em habitação

No Brasil, existem iniciativas interessantes para combater o déficit habitacional e oferecer uma moradia de qualidade a pessoas de menor poder aquisitivo. Com o objetivo de ajudá-lo a desenvolver ações relevantes para a população, apresentamos agora 5 ações relacionadas a habitação popular. Confira!

1. Porto Seguro

Desenvolvido pelo arquiteto suíço Christian Kerez, o projeto Porto Seguro começou as atividades em 2009, no bairro Jardim Colombo, em São Paulo. O objetivo é, inicialmente, verticalizar as unidades habitacionais da região.
Dessa forma, o autor pretende fazer com que os beneficiados tenham moradias com um bom padrão de qualidade, sem precisar sair da comunidade. Os módulos habitacionais foram feitos para terem harmonia com as construções já existentes.
A intenção é manter a identidade do local e fazer com que os moradores tenham uma maior familiaridade com o projeto. Dessa forma, a mudança para uma nova casa se torna mais simples.
Envolver a comunidade é muito importante para que os projetos de habitação popular apresentem bons resultados e possam continuar contemplando um maior número de pessoas.

2. Pedregulho

Um dos primeiros projetos de moradia popular desenvolvidos no País foi o Pedregulho. Projetada pelo arquiteto Affonso Eduardo Reidy em 1947, a obra tinha como objetivo construir o Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes, no Rio de Janeiro, que serviu de moradia para os servidores públicos.
Localizado em São Cristóvão, o Pedregulho é um prédio com 260 metros de comprimento, que se destaca pelo formato serpenteado e por estar situado no alto de uma encosta.
Após passar por uma reforma, o Pedregulho conta com 272 apartamentos e 1 mil e 700 moradores, a maioria de baixa renda. O local recebe visitantes de todas as partes do mundo, pois apresenta aspecto diferenciado.  

3. Fundo Fica

Proporcionar habitações de qualidade a moradores de baixa renda é um dos principais objetivos do Fundo Fica. Para isso, o projeto oferece aos beneficiados a oportunidade de pagar aluguéis por um preço bem abaixo do mercado, em São Paulo.
Os imóveis ficam em regiões centrais da capital paulista, o que facilita o deslocamento dos moradores para buscarem atendimento em escolas e hospitais públicos. O Fundo Fica é composto por uma associação em que os integrantes podem contribuir com quantias a partir de 15 reais.
A entidade também conta com doações, tanto que chegou a ganhar um imóvel, em São Paulo. No local, já vivem pessoas contempladas pelo projeto. A iniciativa contribui para que prédios fechados e sem utilização possam servir de moradia, o que favorece a inclusão social.   

4. Minha Casa, Minha Vida

Considerado o maior programa de habitação popular do País, o Minha Casa Minha Vida foi criado em 2009, pelo Governo Federal. Essa ação já beneficiou milhões de brasileiros, que tiveram a oportunidade de adquirir imóveis na planta, novos ou usados.
Com a participação da Caixa Econômica Federal, o programa beneficia qualquer cidadão com renda bruta mensal familiar de até R$6.500,00 reais para a aquisição de imóveis urbanos. No caso de imóveis rurais, a renda familiar bruta anual deve ser de 78 mil reais.
Para serem contemplados, os cidadãos devem obedecer a uma série de requisitos, como:
  • não possuir imóvel residencial;                                                         
  • não participar de financiamento de imóvel residencial;
  • não ter dívidas com o Governo Federal;
  • não receber recursos de natureza habitacional do Governo Federal.

5. Morar Bem

Desenvolvido pelo Governo do Distrito Federal, o Morar Bem tem como objetivo fazer com que famílias com renda bruta de até 12 salários-mínimos possam concretizar o sonho da casa própria.
A meta é oferecer moradias com infraestrutura urbana (abastecimento de água, esgotamento sanitário, energia elétrica, rede de drenagem pluvial, serviços de telefonia etc.) que estejam próximas a serviços considerados essenciais, como saúde, educação e segurança pública.
Somente podem participar os que atendem a estes quesitos:
  • ser maior de idade ou emancipado na forma da lei;
  • morar no Distrito Federal, no mínimo, há 5 anos;
  • não ter ou já ter adquirido imóvel no Distrito Federal;
  • não ser contemplado com outro programa habitacional no Distrito Federal.
É fácil perceber que o poder público, em parceria com a sociedade, pode desenvolver programas de habitação popular para reduzir o déficit habitacional no País e proporcionar mais qualidade de vida aos moradores nas grandes cidades. Com planejamento e foco em resultados, é possível construir casas de boa qualidade com baixo custo.
Gostou desse conteúdo? Então, aproveite e fique sabendo como o setor público pode facilitar o acesso ao crédito imobiliário.


Postar um comentário

 
Top